Quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

Temos uma espécie de obsessão relativamente ao amor, creio, pelo facto de ele ser francamente bonito cantado, escrito, representado.



# Tiago Moreira Ramalho às 10:39 | | comentar | (2)

Nem o Grenouille, criador deste blogue, era capaz da solidão, apesar de não ter iguais com que se relacionar. Sete anos de fuga obsessiva, a comer enquanto defecava, para estar o menor tempo possível exposto aos perigos do simples cheiro a humanidade foram mais que suficientes para fugir de novo, mas desta feita da gruta inodora. Não tinha cheiro, mas queria ser cheirado. Bela metáfora.

Era essencialmente fraco, Grenouille. Como todos somos, em determinada medida. A força está na capacidade de nos relacionarmos displicentemente, sem entregas absolutas ou dependências doentias. A sociabilidade radical, braços abertos ao mundo, implica a vulnerabilidade. A vida feliz é a vida na qual experimentamos uma espécie de autarcia emocional. Nada sai, nada entra, a menos que queiramos.



# Tiago Moreira Ramalho às 10:30 | | comentar | (2)

Terça-feira, 21 de Dezembro de 2010

Este blogue tem, a título experimental, liberdade de comentário. A título muito experimental.



# Tiago Moreira Ramalho às 22:32 | | comentar | (1)

Por vezes experimento um estranho sentimento. Saudades do desconhecido ou do imemorial. Não me diga, leitor, com ar desconfiado, que tal é impossível, que misturo as coisas, que o que sinto é necessidade ou curiosidade. Não é o caso. É saudade pura, tal como a sinto do que conheço, do que me lembro e não tenho. E trata-se frequentemente de uma saudade das originais. Daquelas que sabem que, lá no fundo, o objecto nunca mais voltará.



# Tiago Moreira Ramalho às 22:27 | | comentar | (1)

Domingo, 19 de Dezembro de 2010

Sofro uma espécie de angústia. Há algo que quero tornar eterno, uma memória que quero que permaneça escrita numa pedra imune ao tempo. Mas falta-me a coragem. Tenho medos. Medo de cair na banalidade, nos lugares-comuns da escrita emotiva, nos pontos de exclamação, nas reticências, nos ais e nos porquês. Medo de reabrir uma ferida, que não é ferida, mas que arde às vezes. Essencialmente, tenho medo de mim. No fundo, sou, no mundo, quem mais me assusta. Provavelmente porque sou, no mundo, quem melhor conheço.



# Tiago Moreira Ramalho às 21:30 | | comentar

Sexta-feira, 3 de Dezembro de 2010

And the defendant is condemned to jail for putting me in the right trail.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:21 | | comentar

Por vezes dizem-nos, gente cheia de certezas sobre tudo, mas que de vez em quando acerta, que há males que vêm por bem. Ou melhor, que há certas coisas que, num determinado tempo, encaramos como males, mas que se nos revelam verdadeiras bênçãos. É o caso. O ‘mal’ foi um bem tremendo, pois sem o ‘mal’, o ‘bem’ nunca teria vindo. E ainda há quem diga que o destino é um bandido.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:19 | | comentar

É como se visse os meus olhos e neles me visse a mim.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:17 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner