Terça-feira, 31 de Maio de 2011

«A grande diferença entre mim e ti é que eu consigo separar bem o que é relevante e o que realmente vale a pena daquilo que não é.»



# Tiago Moreira Ramalho às 10:27 | | comentar | (2)

Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

Temos por natureza uma certa afecção pelo estado ilusório. Gostamos de comer o bife, sentir-lhe o sabor, mesmo que, no fim, não haja bife nenhum. É por isso que acusamos os outros se nos ‘desiludem’, quando na verdade deveríamos agradecer-lhes. Afinal, desiludirmo-nos é o primeiro passo para percebermos o que está subjacente à imagem. Se isso é bom ou não acaba por ser irrelevante.



# Tiago Moreira Ramalho às 11:47 | | comentar

Domingo, 29 de Maio de 2011

Hoje percorri uma calçada em completo silêncio. Via-me e parecia-me um personagem de fraca qualidade de um filme de pior qualidade ainda. Nenhum argumentista se lembraria de me meter, caso fosse um dos seus personagens, a percorrer aquela calçada e a percorrer aquele silêncio. Um argumentista habitual, daqueles que produzem a sua obra atendendo ao ‘racional’, ao que faz sentido, teria pegado em mim e ter-me-ia feito pegar nas coisas e ir para outra calçada qualquer. Os meus dias, na verdade, compõem uma obra de arte rara, uma obra exclusiva que me ofereço. Uma obra de que facilmente abdicaria.



# Tiago Moreira Ramalho às 14:38 | | comentar

Domingo, 22 de Maio de 2011

Acho que é o Gore Vidal que nunca fala de amor com ninguém, por não saber o que a outra pessoa associa ao termo. Ele é que tem razão. De amor não se fala, não se escreve, não se grita. De amor chora-se, ri-se e morre-se. E é só isso.



# Tiago Moreira Ramalho às 21:15 | | comentar | (1)

«Who do you think you are

Running around leaving scars

Collecting your jar of hearts[?]»

 

Christina Perri



# Tiago Moreira Ramalho às 16:12 | | comentar

Sempre achei a misoginia, a xenofobia e a homofobia formas superiores de irracionalidade. A única postura verdadeiramente séria é a misantropia. Nenhum humano, seja de que tipo for, é merecedor de qualquer tipo de simpatia. Morrerei rodeado de animais. Ou sozinho, na mais provável das hipóteses.



# Tiago Moreira Ramalho às 05:31 | | comentar

Sábado, 21 de Maio de 2011

Ainda estou a ouvir (devia ter começado esta frase a meio, que estou farto de frases inteiras, completas e com significado) o mascar da pastilha da senhora que me cortou gentilmente o difícil cabelo. O som perturbador e quase hipnotizante de uns dentes de meia-idade a desgraçar um pedaço de borracha com sabor. Provavelmente maltratava a pastilha para não me maltratar a mim ou a outro qualquer. Talvez alguém que lhe andasse a perturbar a meia-idade. Talvez o próprio Deus, que lhe roubou a formosura que em tempos achou ter. E o cheiro. Tenho o cheiro entranhado na roupa. Uma mistura estranha de menta e tabaco que me invadiu o sentido, só um, durante aquela meia hora. Tomei banho e não saiu. Tomei outro, irritado, desesperado e ainda não me livrei. Ficará comigo para sempre. Emanará do túmulo. E nada era pior que o vislumbre da bocarra pintada de batom irregular, apressado, gasto pela pastilha que saltava e que se arredondava em balões regulares. Em movimentos lentos, a boca abria-se, a pastilha movia-se, a boca fechava-se. Sempre assim, sempre igual, sem nunca acabar. Quando abria a boca, via-se a língua escura, experiente e viam-se os dentes, amarelecidos, uma cárie, uma falha.

Saí apressado, depois de pagar. Vinha nervoso, a tremer. Parecia que sentia a pastilha a saltitar na minha boca. Parecia que lhe sentia o sabor e o cheiro, apesar da distância. Esbarrei com um velho, que me amaldiçoou a mãe, coitada, coitado. Comecei a correr para o carro. Estava escuro. Voltei para casa.



# Tiago Moreira Ramalho às 20:19 | | comentar

Domingo, 15 de Maio de 2011

Não percebo a tua irregularidade. És pior que a menstruação de uma anorética.



# Tiago Moreira Ramalho às 23:02 | | comentar | (2)

«Sem a loucura que é o homem

Mais que a besta sadia,

Cadáver adiado que procria?»

 

(Fernando Pessoa, Mensagem)



# Tiago Moreira Ramalho às 13:34 | | comentar

Sábado, 14 de Maio de 2011

A verdade é que vou fugir nos próximos tempos. Muitos, longos meses fora de tudo, longe do mundo a que me habituaram, sem as caras, os braços, as pernas, os troncos, os pés, as mãos, os cabelos, os olhos, as bocas, os narizes, as orelhas do costume. E, apesar de bom, porque ainda vivo na ilusão de que a infelicidade se deve à específica contingência e não ao estrutural desajuste, não é suficiente. Ainda preciso das fugas no meio das multidões. Aquelas em que não fugimos para fora, mas para dentro. Aquelas em que divago sobre o saco da feira do livro, que já não tem livro lá dentro, porque o tirei para o ler, apesar de o não ter lido ainda. As outras em que reparo nas cores dos lençóis riscados, feios, na verdade. E depois recebo um telefonema. E depois do telefonema, perco toda a capacidade criativa, porque as máquinas são feitas disso, de interrupção voluntária - elas têm vontade - da humanidade que resta. Portanto, acaba aqui a fuga, regressa-se aqui ao irreal. 



# Tiago Moreira Ramalho às 13:07 | | comentar

Tenho uma certa tendência para a auto-humilhação. E atente-se que a auto-humilhação pode não ser exterior. Aliás, o sentimento de humilhação é tanto mais forte quanto mais interior for, porquanto não o podemos imputar a ninguém.



# Tiago Moreira Ramalho às 13:05 | | comentar

Sexta-feira, 6 de Maio de 2011

Mais uma vez perdi.



# Tiago Moreira Ramalho às 14:47 | | comentar

Quando o homem descobriu o fogo e nele se queimou, o que fez foi continuar à sua volta atento, prescutante até que o dominou por completo. Eu, descendente desses, mas sem um centésimo das suas qualidades «bárbaras» e «primitivas», permito-me a infelicidade essencialmente porque me obrigo o medo. Tivesse o «pernas-curtas» e o «barba-grande», «clá-pó-ti» e «bó-mi-ré», respectivamente, adoptado postura semelhante e hoje não podia acabar este texto, limpar as lágrimas e ir fumar um cigarro.



# Tiago Moreira Ramalho às 09:51 | | comentar

Terça-feira, 3 de Maio de 2011

Comprei dois do Pedro Mexia. Andava há anos para comprar aquilo, mas, não sei porquê, não comprei. Burro. O Pedro Mexia lê muito e lê bem, assiste muito e assiste bem, ouve muito e ouve bem e eu gostava de o imitar na façanha. Mas, mais do que tudo, gostava imenso de ter a sua capacidade de usar, sem qualquer prurido, a arte alheia, apropriadamente nomeada, para tornar a miserável existência interessante em letra de forma. Porque é nisso que Pedro Mexia mostra exuberante mestria: aquilo que muitos tornariam algo melodramático, aborrecido, desinteressante, é por ele transformado em objecto de arte. A miséria de Mexia é uma obra de arte, tal como eu gostaria que a minha fosse. Não se perdia tudo.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:36 | | comentar

Toda a gente deveria ter um grande espelho em casa, um daqueles que ocupam paredes inteiras e nos observam em cada gesto. Precisamente porque tal espelho seria como um diário dos nossos crimes, uma prova do nosso ridículo. Víssemo-nos e tudo seria diferente, isto se alguma coisa continuasse a existir.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:36 | | comentar

Pela primeira vez na vida, creio, troquei assumidamente o amor dos livros por outro tipo de amor. Virei-lhes as costas sem dó nem ressentimento. E agora vejo como fui estúpido.



# Tiago Moreira Ramalho às 01:34 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner