Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010
Regressava eu a casa, depois de um exercício de metrossexualidade, no caso, um simples corte de cabelo (não se deixe enganar a leitora de blogues que procura um homem decente, que eu também sou menino para banhos regulares e para cortar as unhas); dizia eu que, no regresso a casa, quando, na paragem do autocarro, esperava o dito, vi dois cães, ambos machos (eu confirmei), a andar um à volta do outro. Num ápice, e antes que eu tivesse tempo para voltar a ver se eram mesmo dois machos, um salta para cima do outro e, o leitor prepare-se para um termo brejeiro, enraba-o à bruta. Mas à bruta. Dois cães, ali, pumba, pumba, pumba, no meio da rua. Depois, uma poça de água no chão, deitada pelo nariz da mocinha de mochila às costas, que não conteve a gargalhada sonora e suja, ranho, quando o canito violado desatou a rosnar, enraivecido, depois de o violador, aquele Casanova, o ter largado sem haver propriamente êxtase sexual por parte de qualquer um deles. Eu, claro, atirei uma gargalhada para a direita, que me agradeceu o gesto, e entrei no autocarro a pensar naquela malta doidinha que diz que a homossexualidade é uma moda dos humanos do século XXI e coisas assim. Parvos.


# Tiago Moreira Ramalho às 18:58 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner