Domingo, 21 de Fevereiro de 2010
Hoje de manhã ouvi uma deputada do partido comunista português a dizer, na televisão, num programa de jovens, que defendia que o Estado fornecesse todos os cuidados de saúde que as pessoas eventualmente requisitassem. E, mais, defendeu que o problema dos congestionamentos do serviço nacional de saúde apenas se coloca devido ao facto de haver falta de meios. Segundo a deputada jovem, devia haver meios, meios infinitos, para a saúde. Eu também gostava, senhora deputada. Gostava que houvesse meios infinitos para tudo. Assim eu nem precisava de estudar Economia e podia, sei lá, ir para um partido como a senhora deputada ou, em alternativa, ia-me para a Filosofia, a ver no que dava. Como, infelizmente, os meios não são infinitos, a malta estuda (talvez um bocadinho mais que a senhora deputada) a forma como os meios, finitos, podem resolver da melhor forma as necessidades, infinitas. Quando oiço barbaridades tamanhas saídas daquelas bocarras, quase me dá vontade de pedir pelo amor do Altíssimo que se tornem obrigatórias aulas de introdução à Economia logo no quinto ano, para a malta deixar de sonhar com unicórnios sociais.


# Tiago Moreira Ramalho às 22:17 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner