Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

A Fernanda Câncio, que, meus caros, existe, dado já ter jantado com uma série de pessoas, supõe-se, é do caraças. Mas é mesmo. Dona daquele jeito, como dizer, característico, não deixa ninguém sem opinião (o que, dizem, é uma virtude). Ora, eu tenho cá as minhas opiniões sobre a Fernanda Câncio (a propósito, está boa Fernanda Câncio? Não sei se sabe, mas o meu Word não aceita o seu nome, numa clara demonstração de atavismo e assim – só um reaccionário é que pode não aceitar que o nome Câncio existe, não é verdade?). Tenho as minhas opiniões, sim, mas não as divulgo, porque, minhas senhoras, sou um gentleman e assim.

Independentemente das minhas opiniões sobre a Fernanda Câncio (nunca mais a vi na televisão, o que mostra o quão aborrecida anda a pátria, sem fracturas «cancionáveis», pelo menos dado os presentes actores, digamos assim), dedico-lhe posts sem fim porque, enfim, o espécimen é raro e digno de análise aprofundada e um tanto ou quanto jocosa – o quanto baste, para não aborrecer.
Diz a Fernanda Câncio, na sua versão in, isto é, na sua versão f., que é interessante cotejar, palavra, que, confesso, desconhecia por completo e, meus amigos, continuo a desconhecer, este meu texto quando o mesmo autor, eu, que sou autor de textos e quase-textos, também escrevi este. Agora é que a Fernanda Câncio me apanhou a desonestidade intelectual, que andava tão bem escondida do mundo. Fiquei extremamente envergonhado, porque, verdade se diga, se fosse um tipo qualquer a dar-me o raspanete, eu movia on e nem ligava, mas a verdade é que se trata de Fernanda Câncio e, preclaríssimos leitores que eventualmente persistam no crime de não a conhecer, a Fernanda Câncio é um exemplo para qualquer alma do que é ser, em primeiramente, coerente e, em segundamente, intelectualmente honesto. Claro que também é um exemplo noutras áreas, muitas, nomeadamente na área da escrita exclusivamente com minúsculas (a propósito, estamos bem, não estamos, Fernanda Câncio? É que não me habituo às minúsculas. Coisa de gentinha desonesta, quem sabe) e também aquela que diz respeito ao trato, digamos, educado. Passemos tudo isto, que o espécimen (ó Fernanda Câncio, não me leve a mal chamar-lhe espécimen – não é ofensivo, apenas descritivo) ainda há-de ser alvo de tese minha (a ciência ainda tenho de a escolher, pois todas as perspectivas são válidas), mas agora tenho de lhe explicar coisas, vamos ao assunto.
O meu texto do Corta-fitas, Fernanda Câncio, dizia, e bem, que eu concordo muito comigo mesmo, que a posição que a Fernanda Câncio apresentava no seu texto era, e cito-me, impressionante. Impressionante porque a Fernanda Câncio dizia «daquela gente», nos seus termos, que eram todos iguais na nojeira. Ora, no meu segundo texto, muito bonito, cheio de imagens e até com uma referência bíblica, que eu sou um tipo que se interessa por matérias dessas e assim, eu não digo que são todos iguais. Digo, até e inclusivamente, que há bons argumentos contra o casamento homossexual e que, calma que agora temos de estar atentos ó Fernanda, «Mas a verdade é (…) que a manifestação não era só contra o casamento homossexual. Em grande medida, os que ali estavam manifestavam-se contra uma «perversão» a que a «liberdade», a deles, não dá direito.» Eu sei que agora a coisa se torna difícil, principalmente porque o João Galamba (obrigado, João) não citou a primeira frase. No entanto, vou tentar explicar-lhe, ó Fernanda Câncio, o que está escrito no meu texto. Ora vamos lá: eu digo que a manifestação não era só contra o casamento homossexual, porquê?, porque em grande medida, repitamos em coro Fernanda Câncio, em grande medida, os que ali estavam queriam era malhar nos senhores e nas senhoras que, enfim, tiveram a sorte ou o azar de ser diferentes. A expressão «em grande medida», em termos de quantificação, situa-se algures, Fernanda Câncio, entre o «alguns» e a «totalidade». Gosta de passear-se ali no meio por, precisamente, não significar nem uma coisa nem outra. Ambos os dois (sim, ambos os dois, que eu leio livros e anúncios de jornais) sabemos perfeitamente que nem todos os que ali estavam eram homofóbicos – há pessoas que, não sendo homofóbicas, apresentam interessantes argumentos contra o casamento civil para pessoas do mesmo sexo. No entanto, não sendo nós parvos (ó Fernanda Câncio, acredite-me, nós os dois não somos parvos nenhuns), chegamos facilmente à conclusão que uma boa parte dos que ali estavam, cheios de cartazes horripilantes e assim, o que queriam era uma solução final para aquilo que, nas suas interessantes mentes, é a «paneleiragem» do nosso bem-amado Portugal, que Deus abençoe.
Mantenho o que escrevi no meu primeiro texto, do Corta-fitas? Mantenho sim senhora, porque só sou gajo para voltar atrás quando a estrada está fechada. Eu não sou beato nem misógino (esta aprendi consigo, ó Fernanda Câncio – mais uma para contar aos netos) e sou contra a legalização do aborto. Porque tenho, eu sei que isto é difícil de acreditar, argumentos e uma base filosófica para manter tal posição. Do mesmo modo que, nesta altura, tenho argumentos e uma base filosófica para defender o casamento para pessoas do mesmo sexo. Eu sei que este parágrafo foi difícil de digerir, ó Fernanda Câncio, que qualquer pessoa que já tenha jantado com outra pessoa tem sérias dúvidas em acreditar que eu tenho bases filosóficas para o que quer que seja, por isso, vou deixá-la reflectir sobre o assunto.
Já que já reflectiu, que um parágrafo dá mais que tempo, aproveito para a deixar com as ideias (seguramente acertadas) a que chegou e despeço-me com um grande aceno de mão, à provinciano, que é o que sou, apesar do cosmopolitismo óbvio. Um beijinho não lhe mando, que m’avergonho e tenho medo de a espantar. Às vezes, podia acontecer.


# Tiago Moreira Ramalho às 21:48 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner