Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

O que fazia de Cavaco Silva um candidato interessante à Presidência da República não era, meus caros, o seu pensamento. O pensamento político de um Presidente da República, no actual quadro constitucional, interessa-me pouco. As guerras ideológicas, a haver, tomarão lugar no Parlamento e numa guerra puramente ideológica entre Presidente e governo, o governo sai sempre por cima. O que me interessava em Cavaco Silva, pelo menos numa fase inicial, era aquilo que eu julgava ser um profundo respeito pela instituição que ocupava e para a qual se queria recandidatar. Reserva e prudência, sem usar e abusar dos meios de comunicação para enfrentar o governo, agradava-me o facto de não utilizar o posto para se promover ou para promover outros. Isso, infelizmente, mudou a seguir ao Estatuto dos Açores. Mudou irremediavelmente. Neste momento, não temos um Presidente da República, mas sim um mero candidatozeco a um lugar que precisa de muito mais do que isso. Cavaco Silva deixou de ser o meu Presidente da República quando colocou a sua estratégia acima dos deveres do seu cargo. Deixou de ser o meu Presidente quando, a fim de obter uma reeleição, preferiu a cobardia de não demitir um governo que em qualquer sociedade que se auto-proclamasse civilizada já teria caído. Por isso, meus caros, é-me indiferente quem ocupará Belém nas próximas eleições. O que diferenciava Cavaco já não existe.

O meu candidato continua a ser o de antes. Nesse votaria sem hesitar. Assim, nem sei se voto.


# Tiago Moreira Ramalho às 16:17 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner