Sábado, 21 de Maio de 2011

Ainda estou a ouvir (devia ter começado esta frase a meio, que estou farto de frases inteiras, completas e com significado) o mascar da pastilha da senhora que me cortou gentilmente o difícil cabelo. O som perturbador e quase hipnotizante de uns dentes de meia-idade a desgraçar um pedaço de borracha com sabor. Provavelmente maltratava a pastilha para não me maltratar a mim ou a outro qualquer. Talvez alguém que lhe andasse a perturbar a meia-idade. Talvez o próprio Deus, que lhe roubou a formosura que em tempos achou ter. E o cheiro. Tenho o cheiro entranhado na roupa. Uma mistura estranha de menta e tabaco que me invadiu o sentido, só um, durante aquela meia hora. Tomei banho e não saiu. Tomei outro, irritado, desesperado e ainda não me livrei. Ficará comigo para sempre. Emanará do túmulo. E nada era pior que o vislumbre da bocarra pintada de batom irregular, apressado, gasto pela pastilha que saltava e que se arredondava em balões regulares. Em movimentos lentos, a boca abria-se, a pastilha movia-se, a boca fechava-se. Sempre assim, sempre igual, sem nunca acabar. Quando abria a boca, via-se a língua escura, experiente e viam-se os dentes, amarelecidos, uma cárie, uma falha.

Saí apressado, depois de pagar. Vinha nervoso, a tremer. Parecia que sentia a pastilha a saltitar na minha boca. Parecia que lhe sentia o sabor e o cheiro, apesar da distância. Esbarrei com um velho, que me amaldiçoou a mãe, coitada, coitado. Comecei a correr para o carro. Estava escuro. Voltei para casa.



# Tiago Moreira Ramalho às 20:19 | | comentar

autoria
Tiago Moreira Ramalho

twitter
arquivo do blogue

Fevereiro 2013

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

subscrever feeds

 FeedBurner